Tecnologia e Criança

Blog sobre novas tecnologias e o seu impacto ao lidarmos com nossas crianças, tanto como pais quanto como professores.

Monday, August 21, 2006


Falando em software para visualizar dados e processos mentais, não posso deixar de falar de um dos meus favoritos, o Inspiration. Lembrei dele pois acabaram de lançar um novo produto, o InspireData, que também transforma uma tabela ou planilha em representações gráficas variadas (diagrama de Venn, gráfico, gráfico de pizza...). Isso permite ao aluno analisar visualmente os dados e estudar a sua relação, por exemplo: será que o crescimento de uma planta é afetado pelo número de horas claras no dia? Com esse software, ele escolhe essas duas variáveis e vê a relação entre esses dados, para depois tirar suas conclusões. Esse tipo de análise e trabalho com dados vai bem de acordo com o que eu comentei no Gapminder da Google.

Mas antes de lançarem essa ferramenta, o que eu mais gosto do Inspiration é a sua ferramenta para construir mapas conceituais. É o seu carro chefe. Nessa ferramenta, a criança pode rapidamente anotar suas idéias e construir relações entre elas. O software coloca as idéias em balões que podem ter os mais variados formatos, e depois permite que se coloque setas ligando as idéias. Isso ajuda as crianças a perceberem o que são palavras-chave, a hierarquia de idéias por critérios diversos, e a relação entre as idéias. É o que os pesquisadores chamam de "mind tools" - ferramentas da mente. Permite que a criança visualize como pensa, e assim pode ver como ela associa as idéias e aprende. Ao poder visualizar (explicitar) seu modo de pensar, ela pode aperfeiçoar como aprende, ou seja, está aprendendo a aprender!

Vou dar um exemplo bem concreto que aconteceu comigo. Eu fui fazer meu mestrado e doutorado nos Estados Unidos em 1998. Já fazia muito tempo que eu não escrevia trabalhos para um curso (me formei em 1987), e estava tendo dificuldade de elaborar um "paper" coerente e consistente. Foi quando conheci o Inspiration. Foi paixão à primeira vista. Eu começei a usá-lo para fazer um mapa do meu trabalho. Primeiro colocava o título, e depois, todas as idéias a respeito sobre as quais eu queria escrever. Depois mexia nas idéias até ficar satisfeita que a ordem estava boa. Essa é a vantagem desse software. Você pode colocar as idéias em qualquer ordem, e depois trocar até ficar do jeito que você gosta.

Quando terminava de decidir a ordem em que eu iria apresentar as idéias, para cada uma fazia um outro nível de balões, agora colocando todos os autores que apoiavam aquela idéia. Já colocava as citações que queria usar. Com isso meu mapa ficava enorme, mas eu conseguia visualizar o conjunto como um todo, ficando bem mais fácil de editar.

Quando estava satisfeita com tudo, eu passava esses tópicos e sub-tópicos para o Word (o software permite isso). Aí era só preencher cada parte com as minhas idéias. E cada argumento automaticamente já estava embasado em pesquisa. Foi uma maravilha. Começei a tirar A+ nos trabalhos, que tinham em torno de 20 páginas, linha simples! Isso para mim foi uma conquista, pois nunca gostei muito de escrever. Nunca mais escrevo um texto sem antes planejá-lo nesse software!

Estamos usando esse tipo de ferramenta para ensinar as crianças do Ensino Fundamental II a aprenderem a estudar. As professoras passam um texto aparentemente difícil para eles. Depois começam a ajudá-los a construir um mapa mental do texto, ensinando-os a buscarem as idéias principais e as palavras chave. Depois ensinam essas crianças a relacionarem as idéias. Aí eles começam a perceber que o texto não é tão difícil assim, e fica muito mais fácil de aprender o conteúdo quando eles percebem o que tem de mais importante e como essas idéias estão ligadas umas às outras.

Tem muitas coisas para as quais essa ferramenta pode ser útil. Poderia dar muitos outros exemplos. Mas o mais importante é que com esse tipo de ferramenta, estamos ensinando as crianças a pensarem e a entenderem como aprendem. E essa habilidade vai ajudá-las a se tornarem aprendizes para o resto da vida (lifelong learning), essencial para sobreviver nessa era da informação!

Monday, August 14, 2006


A Google nunca cessa de trazer ferramentas úteis e interessantes, além de extremamente divertidas. Parece que eles sabem o que os professores querem!

Acabo de ficar conhecendo outra ferramenta deles que é o sonho dos professores de Economia, Geografia e outras ciências sociais. Chama-se Gapminder (http://tools.google.com/gapminder), e basicamente é uma ferramenta que permite visualizar dados estatísticos sobre diversas variáveis mundiais, país a país. Por exemplo, se você quiser ver como anda a taxa de natalidade em relação à renda per capita no mundo, pode usar essa ferramenta. Você pode escolher o continente, o país específico, os anos que deseja ver o processo evolutivo dessas variáveis... enfim, ver as tendências e o crescimento e desenvolvimento daquele país. Pode comparar países, e tudo de maneira muito fácil e intuitiva.

No gráfico cada país aparece de acordo com a cor (cada continente tem uma cor) e com o tamanho da bola que o representa (a bola é proporcional à sua população). Você escolhe que variáveis quer ver nos eixos X e Y, e se quer ver progressão linear ou logarítmica.

Outro site, o http://www.gapminder.org, pegou essa ferramenta e já está criando algumas lições em cima dos dados. Tem muito material gratuito que pode ser baixado e usado em aulas, projetos, debates, ilustrações... Enfim, uma ótima junção do que a multimídia tem a oferecer. Vale a pena conferir.

Esse site mostra bem outra tendência da internet, que é a de oferecer vários serviços a partir de um mesmo site. Alguém pega ferramentas que se complementam e junta tudo para formar o seu conteúdo completo. Provavelmente começaremos a observar cada vez mais sites desse tipo. E como eu já disse antes, continuem de olho na Google. Parece que eles estão criando novas tendências e empurrando as fronteiras do que é possível diariamente!

Uma amiga minha, professora de geografia, me falou hoje que tem até cientistas já usando as ferramentas da Google (Google Earth e Google Maps) para fazer estudos. É muito bom saber que nossas crianças têm acesso ao mesmo tipo de informação e já podem trabalhar com dados reais, não ficando limitadas a simulações e modelos do mundo real enquanto estudam.

Monday, August 07, 2006



Voltando a falar do OLPC (projeto do Laptop $100), existe um software que ilustra bem a visão pedagógica do projeto.

Eu tive oportunidade de conhecer este software em um workshop que a Fundação Bradesco promoveu em parceria com o grupo do MIT que está desenvolvendo este software. Tive a felicidade e o privilégio de fazer o workshop com o Mitchel Resnick e o Leo Burd, que vieram especialmente para o evento.

O nome do software é Scratch e é bem baseado nos mesmos princípios nos quais foi criado o Logo com o trabalho do Seymour Papert. A idéia é dar às crianças ferramentas para aprender a pensar. Ao ensinar o computador a fazer coisas, eles mesmos começam a aprender como eles aprendem também. Quando a criança usa o Scratch, ela tem ferramentas fáceis de usar e que podem ser testadas na hora.

O Scratch é escrito em Squeak e estará logo totalmente disponível sem custo algum. Qualquer um pode instalar e usar. Eu já mostrei esse software para o pessoal do Cidade Aprendiz, e eles rapidamente aprenderam a usar e começarão a usar com os alunos de vídeo e multimídia para eles ampliarem o que estão produzindo.

Do lado esquerdo da tela observamos "comandos" de programação que podem ser arrastados para a coluna do meio, e "encaixados" em seqüência para tentar fazer o objeto sendo programado fazer o que a criança quer que ele faça. Ele tem comandos de movimento, forma, ações, etc. Está tudo categorizado pelo tipo de comando, e, para facilitar, cada tipo tem uma cor. Assim a criança aprende a usar rápida e facilmente.

Do lado direito é o palco onde as ações programadas já aparecem. A criança já pode testar suas idéias na hora, e ir modificando-as de acordo com as necessidades. Ela aprende com seus erros e aprende o valor de errar para tentar chegar ao resultado. Um sucesso vem depois de muitos fracassos. O importante é não desistir. Valores legais para uma criança aprender, não?

Outra coisa que gosto muito desse software é que ele junta a parte de programação, exata, com a parte humana da arte. Não é mais uma aula de robótica. Eles estão tentando atrair tanto meninas como meninos. E por isso o que é programado pode tanto ser um objeto mecânico tradicional, como fotos próprias, desenhos, qualquer coisa.

Eu mesma aprendi a fazer uma foto minha dançar. Consegui rebolar melhor no Scratch do que jamais consegui de verdade. :-) Isso é outra coisa boa. É muito divertido, motivante. A gente quer acertar o programa para ele fazer exatamente o que imaginamos. E com isso, ficamos facilmente horas a fio acertando um detalhe aqui, outro ali. As crianças que já usaram adoraram! Você pode criar histórias, jogos interativos, até contar pontos! Pode criar videoclips, quadros que mexem (quem viu Harry Potter sabe o que é isso), enfim, não há limites para a imaginação.

Eu gosto de acompanhar o trabalho do MIT por que eles se preocupam muito com o avanço da educação sem necessariamente incluir o lado do lucro. Tanto é que eles foram a primeira grande universidade a ter a ousadia de disponibilizar todo o seu material dos cursos livremente na web, para quem quisesse acessar. Eles acreditam tanto em si, que acham que não é isso que faz o diferencial deles. São seus professores. E sabem de uma coisa? Eles estavam certos! Por mais que eu tenha acessado o material dos cursos, não é a mesma coisa que fazer os cursos. Mas pelo menos, já que não posso fazer o curso, já aproveitei muitos recursos fantásticos que eles têm.

Esse projeto, chamado Open Course Ware, já tem até versão em português. Ilustra muito bem a mentalidade que eu gosto de que a educação não é para lucro, e sim para construir uma sociedade melhor. É bom ver que isso pode e está acontecendo.

Wednesday, August 02, 2006


Eu estava pesquisando novidades ontem quando topei com mais uma surpresa legal da Google. Pode ser que muitos já conheçam. O novo Google Desktop agora oferece a opção de colocar e usar "gadgets" (os usuários de Mac já conhecem bem essa ferramenta, pois o novo OS X já vem com seus próprios "gadgets"). Gadgets são programinhas que ajudam a automatizar e organizar a sua vida.

Por exemplo: no meu Google Desktop eu escolhi colocar um relógio (poderia também colocar calculadora, calendário), acesso a minhas fotos, acompanhamento do meu email, bloco de notas, e outras utilidades (até clima e... confesso... alguns joguinhos :-)). Ou seja, em uma barra de ferramentas, estou com as informações atualizadas, organizadas e na ponta dos dedos! E tem mais de 300 gadgets para escolher!

Esta é outra tendência da tecnologia. A convergência de recursos para facilitar o acesso e ajudar o usuário a organizar sua vida, tentando organizar o caos do excesso de informações. Mais uma demonstração da mentalidade da Web 2.0, da qual a Google é uma ótima representante com suas inúmeras inovações e espírito criativo. Vale a pena sempre acompanhar o que a Google está aprontando, pois eles pagam pessoas só para ficar inventando e pensando em novidades! Que coragem ter essa visão!

Quem ficou curioso, vale a pena visitar a página da Google (http://desktop.google.com/plugins). Se você não tem a última versão, precisa baixar para poder ter acesso aos gadgets.

Boa exploração!