Tecnologia e Criança

Blog sobre novas tecnologias e o seu impacto ao lidarmos com nossas crianças, tanto como pais quanto como professores.

Monday, December 04, 2006

Vídeo na Sala de Aula

Esse ano temos visto uma tendência crescente pelos adolescentes de adotar vídeo como forma de apresentação de trabalho. Ano passo isso já começou a acontecer em alguns grupos, e esse ano parece que a moda pegou mesmo!

Temos várias WebQuests sendo feitas por professoras de Português, Inglês e História (citando apenas algumas), além de projetos interdisciplinares envolvendo Cidadania e Simulações internacionais de fóruns sobre Economia, Terrorismo e Saúde (Projeto ICONS). Esses projetos oferecem oportunidade dos alunos escolherem diferentes formas de apresentarem seus trabalhos, e, como já falei, muitos escolheram usar vídeos.

Hoje isso é fácil para eles, pois usam até o celular como filmadora. Filmam pequenos trechos, depois editam usando programas como o Movie Maker que já vem com o Windows, ou o software da própria câmera que usaram. E é incrível o nível de produção desses jovens cineastas! Usam efeitos de transição entre cenas, colocam títulos, músicas, escolhem o ângulo de filmagem e cuidam da iluminação para dar os efeitos desejados, alguns lembram de tomar cuidado com o som... enfim, estamos lidando com alunos que mesmo amadoramente já estão demonstrando noções de filmagem. E como são criativos em seus roteiros e histórias, sem falar nos figurinos e cenários.

Vamos procurar encorajar e oferecer mais oportunidades para que façam isso, pois preparar um filme exige uma série de habilidades e competências que uma aula mais formal não oferece oportunidade de desenvolver. Os alunos aprendem a planejar, tomar decisões, elaborar um roteiro, cumprir cronograma, reorganizar idéias, entre outras coisas. Todas habilidades que lhes servirão muito bem depois no mundo profissional, ou mesmo na faculdade.

Do ponto de vista pedagógico, é uma maravilha! Já do ponto de vista técnico, nós estamos tendo que rapidamente criar regras para regulamentar isso e permitir que todos possam mostrar seus trabalhos em sala de aula sem aquele aviso que já nos traz arrepio: "Não foi encontrado o CODEC!". :-) É incrível quanta coisa temos que verificar tanto na hora de produzir o vídeo, como no computador na sala de aula, para ter certeza de que tudo vai funcionar.

A dica que dou é a seguinte - adotamos duas estratégias para evitar esses problemas no futuro:
  • A equipe técnica da escola está toda fazendo curso de preparação de vídeo para saber exatamente tudo que envolve tecnicamente.
  • Adotaremos procedimentos comuns para os projetos que possam envolver vídeo. Já elaboraremos orientações para os alunos, assim todos usarão os mesmos plug-ins e codecs que possamos garantir estar presentes em todas as máquinas do colégio, assim garantiremos que todos possam assistir o fruto do seu trabalho. Provavelmente adotaremos o Moviemaker mesmo, pois já vem no Windows e podemos ter certeza de que todos nossos alunos tenham acesso em casa. Também padronizaremos o tamanho do vídeo para garantir que as máquinas aguentem rodar sem causar frustrações.

Com isso, esperamos providenciar uma experiência recompensadora para todos. Os resultados mostram que é um investimento de tempo e esforço que vale a pena. Essa nova geração realmente está integrando multimídia em sua forma de comunicar idéias.

Outra preocupação a ser levada em consideração é o aspecto ético do uso de vídeo. Também notamos a importância maior do que nunca de educarmos esses jovens para usar essas ferramentas sem infringir os direitos de outros. Já pegamos vídeo de aulas filmadas sem permissão, e colocadas no YouTube por exemplo. Felizmente, alguns jovens vieram pedir permissão para as pessoas filmadas para ver se podiam deixar o video lá, e respeitaram o desejo da pessoa (quer fosse para deixar, ou para tirar). Isso mostra que nossos jovens estão conscientes da importância de respeitar o outro. Já outros, colocaram sem nem pensar em pedir permissão. Aí entra a educação digital. Não adianta querer proibir simplesmente, assim o jovem não aprende nada. Temos que aproveitar o que está acontecendo para ensinar a fazer direito, mostrando que ele tem um papel de cidadão no mundo virtual tanto quanto no real.

Cabe à escola ajudar pais, alunos e toda a comunidade a saber lidar de maneira segura e ética com as novas ferramentas. Para isso precisamos ajudar todos a conhecer essas ferramentas, e depois abrir espaço para mostrar como fazer para garantir que essa rede de conhecimento possa ser usada de maneira proveitosa para todos. Quem sabe conseguiremos construir uma sociedade melhor pelo menos no mundo virtual, ao invés de deixar os defeitos da sociedade real permearem esse novo mundo? E essa visão começa em nossas crianças. Temos que educá-las de forma a lidarem corretamente com essas ferramentas todas.